sábado, 31 de maio de 2008

ainda a xenofobia na África do Sul - ou qualquer outro lado

cheguei a este magnífico texto via o sucedâneo dos 'chuínga' da IO.
thanks, mufana, que sei lá porquê ultimamente pouco tenho visitado o 2+2=5. em meu prejuízo, anoto.
em tempo: não gostei da afirmação da Srª Nomfundo Xulu, "tenho vergonha de ser sul-africana". ao denunciar e escrever como escreveu deu, está a dar, um poderoso contributo para a mudança de mentalidades no seu País. e isso não é sinónimo de desistência, como a ligeira e infeliz frase pressupõe. é apenas uma gota de cera quente que turva o balde que despejou na consciência dos seus concidadãos, e não será por ela que quem tem de entender deixa de o fazer. mas que era evitável e é contraditório, é.
decompondo procissões. Inez Paes way, raramente se lê melhor.

cáustico q.b.

A Dita e o Balde: um blogue a acompanhar. vale!

sexta-feira, 30 de maio de 2008

a aritmética das nuvens

hoje tive uma troca de mails bem interessante. não interessa o tema, que até era equíneo e eu se sou cavaleiro é mais a puxar para a sua vertente cavalheira.
a dada altura escrevi uma frase que, muito mais tarde e já o e-mail sobrevoara meio-mundo e mais a Lua, fez-me voltar a ela, relê-la e gostá-la, como só se gosta quando se embala escadote acima e trepa-se à primeira nuvem que passe.
assim: "Sonhar é mais de metade do Viver, contas que nunca quero ver alteradas".
se fui mau aluno afinal a culpa não foi minha: as matérias é que estiveram sempre trocadas.

quinta-feira, 29 de maio de 2008


(esta não me sai da cabeça)

Sócrates tem mais medo de Manuel Alegre (ou de Mário Soares) que de toda a Oposição parlamentar junta. são prata da casa - e da com chancela, e poderão "exigir partilhas" na família pelo cansaço em ver e rever que a Herança não está a ser respeitada.
com Manuel Alegre (quiça até Mário Soares...) na Presidência da República, ele não se atrevia a metade do que nos tem feito. porque para isso estaria , e não as faria em Imperial conluio a duo.
agora porque Manuel Alegre não está , e quem lá está é o outro.... essa dava pano para mangas e agora não me apetece. só resmungo que de umbigismos partidários e necessidades de afirmação interna de líderes neófitos está o (nosso) Inferno cheio.

segunda-feira, 26 de maio de 2008

o preço da "gasosa"...

... está pelas "horas da morte"! neste site podem encontrar-se, concelho a concelho, os postos que vendem os combustíveis mais barato.

baía de Pemba

diz quem a conhece que é uma distinção justa.
sem acreditar, digo: "talvez um dia..."

domingo, 25 de maio de 2008

Cadilhe & o Benfica


interpelado num Grupo MSN e nesta mensagem (a que precede) sobre "e o que é que nós temos a ver com isso", tive de responder que aquele e outros Grupos da mesma temática (a diáspora moçambicana e adjacências) não existem exclusivamente para glorificação saudosista da "marrabenta e do frango assado".

depois, alguém que vive bem longe de cá e a quem respeito, pediu-me para alongar-me mais sobre o tema - até pela sua ignorância face ao mundo de distância que o separa. saiu assim, com correcção mínima (supressão de nome do destinatário):


................................

é tão complicado que até se torna fácil:

o BPN (Banco Português de Negócios) é na estrutura bancária portuguesa um pequeno banco. detido maioritariamente por uma obscura SPN, cuja estrutura accionista ninguém conhece ao certo, excepto que o seu maior accionista conhecido é José Oliveira e Costa, o até à pouco tempo também presidente do banco. um ex-secretário de Estado, já daí reformado.

acontece que o BP (Banco de Portugal) e a CMVM (Comissão de Mercado de Valores Mobiliários) estão - e de há anos... - interessados em saber qual é o tecido e quem são os accionistas-mistério, ou seja os verdadeiros donos do BPN. e já agora as suas contas, para serem auditadas com requintes de esmiúça. pelo CA (Conselho de Administração) deste, BPN, ao longo dos seus mais ou menos dez anos de existência têm passado figuras ilustres do jet-set político nacional, todos com uma constante invaríavel: nenhum lá fica mais de seis meses, vá lá vá lá um ano. Mira Amaral, ex-ministro de vários governos e agora "presidente" dum Banco angolano que cá vai abrir estaminé, é de todos o nome mais sonante. mas há mais, muitos mais... porque é que será que todos 'dão de fróxe' tão depressa, sendo tais cargos tão cheios de mordomias e tão bem remunerados? será porque se apercebem de onde se, ou os, meteram?

acontece que o BP é chato p'ra caraças. e tanto chateou, tanto chateou, que ao J.O. Costa não se lhe viam mais que uma de duas soluções, se não apresentasse os documentos e esclarecimentos solicitados há anos: ou continuava a 'fechar-se em copas' e o próprio BP mexia-se e punha-o na rua, ou demitia-se. escolheu a segunda "por razões de saúde", mas não se esqueceu de deixar o filho no CA, embora não como 1ª figura. para essa é sempre preciso um nome de primeira linha, sonante, bem relacionado e, principalmente, credível nas instituições. afinal trata-se dum Banco e não duma mercearia. entretanto, e nitidamente como situação provisória - tal como o Chalana no Benfica quando o Camacho bateu com a porta - foi promovido a treinador, digo, a presidente, um membro do desagregado CA, por acaso até um conterrâneo nosso, se não erro na grafia do nome Abdool Vakir. enfim, chame-se-lhe 'Chalana' que ele neste contexto não terá verdadeiras razões para se indignar ou ofender.

entretanto continuaram à procura dum 'treinador principal'. a imprensa económica e financeira - como se do Benfica se tratasse - ia avançando nomes, palpites, negas atrás de negas. o último a falar-se, à coisa duma semana e picos atrás, foi o de Miguel Cadilhe, outro ex-ministro e ex mais uma série de coisas prestigiantes e sempre bem remuneradas. enfim, era uma espécie de Erickson e ele até nem disse logo às primeiras "que não". o chato - falaram depois os jornais - é que se descobriu que, aceitando a 'canonização' como presidente do bote em dificuldades, perdia o direito à (uma das várias) reforma vitalícia que tinha como ex-membro dos órgãos doutro banco, este um gigante, o BCP. esteve lá uns tempitos e ganhou o direito a mais uns quase quatro mil euros mensais, a somar aos que haverá de ex-ministro, ex-deputado, ex-quadro do BP, ex-presidente do Int. do Invest. Estrangeiro, tantos ex's que eles são, mas aqueles quase quatro mil euros/mês, vitalícios, fazem-lhe falta. e não esteve com modas, disse que assim não. nem pensar. ainda para mais ao que ia e para onde ia.

bem, afinal mudou de ideias e agora já alinha. certamente que o money não foi problema - afinal trata-se dum Banco, embora mais aparentado com banqueta. e não fica a perder os tais quatro mil ao mês - vitalícios, recordo. aqui, tratando-se de quem se trata, é que é bastante mais inseguro que a 'vitaliciedade' do pagante seja superior à do recebente... mas isso também deve ter sido ponderado, quiça recompensado e feito competente seguro.

agora aguarda-se a posição e decisão do BP. onde, se não erro, também o polivalente dr. Miguel Cadilhe também teve vínculo profissional, antes de ser "chamado a mais alto cargo", ministro das Finanças mais exactamente. mas ele não deve estar preocupado - se os há, os preocupados, estão todos dentro do BPN: desde os empregados aos accionistas conhecidos e desconhecidos: caso o BP, ou a CMVM, levantem problemas, a exemplo por promiscuidade excessiva, - sei lá do que se poderão lembrar os que nos gabinetes de vez em quando lembram-se de parar para pensar e, quem sabe, até consultarem umas leis que já quando aprovadas estavam prematuramente cheias de pó, - e negarem o "entronamento", ele, Cadilhe, que não se preocupe: pode sempre ainda ser chamado para treinador do Benfica se o Quique Flores não ganhar uma catrefa de jogos seguidos. e, lá na 'banqueta', hão-de descobrir um notável desempregado para desenrascar o problema...

isto é Portugal. tu que não vives cá não me admira que desconheças e, provavelmente, até te arrepies. agora quem cá vive... ou só lê 'A Bola' ou a 'Caras', ou está-se nas tintas para o apodrecimento da placenta onde vivemos. até ao dia do parto, e descobrir-se que o nado afinal está morto: sufocou por ignorância conjunta da mãe e do pai e de demais familiares, e desleixo da sociedade em geral - accionistas do BPN e associados de 'futebolês' incluídos.

trocado por miúdos não diverge muito disto, Benfica à parte pois para esse 'cemitério de treinadores' acho que nem o profícuo e prolixo Cadilhe aceitava mais um cargozito, quem sabe outra reforma... ele que delas tanto medo tem de vir a precisá-las e, por isso, não prescinde duma.
excepção à do BCP - trocada a troco de quê? - rima.

afinal a resposta à tal "pergunta dum milhão de dólares" é simples, não é? um abraço de moi.

sábado, 24 de maio de 2008

Cadilhe no BPN

e as inspeções do BP ao BPN? ou Cadilhe vai para lá exactamente para "amansá-las"?
há Bancos e banquetas, há instituições sérias que podem casualmente passar por dificuldades, e há instituições mais que suspeitas por ocultarem sistematicamente dados essenciais ao controle da sua actividade. nestes últimos temos reconhecidamente o BPN.
o que vai para lá fazer Cadilhe? eis a pergunta "dum milhão de dólares"....

sábado, 17 de maio de 2008

quarta-feira, 14 de maio de 2008

(...)

passei por aqui só para dizer Olá!
(sim, sei que tenho "correspondência atrasada"; ao que me lembre, um desafio de "seis coisas que não me importo de..." da IO, e um 'selo da amizade' para redistribuir da Luísa Hingá.
a ambas agradeço a lembrança mas... o je há-de "lá ir", ok? agora agora é que "não dá"... para tudo é preciso disposição e essa, por cá, anda uns furos abaixo)

domingo, 11 de maio de 2008

conta, peso & medida

Não é com quilómetros, metros ou palmos que se mede a distância
entre nós e a solidão.

É mais exacto o baço dos olhos onde o brilho se resguarda,
e do seu opaco turvo avalia-se uma medida
que se aproxime duma possível certeza.
Já agora, meçam-se também os dedos que a escrevem
na tinta mais rude, a que soletra so-li-dão.

Em primeiro temos “so” – filho primogénito do só,
esse nosso vizinho porreiro,
o Senhor Sozinho-Acompanhado.

Segue-se a sílaba “li” – que se lê como se de gritos
não audíveis e medíveis. Tão-pouco lidos e entendidos,
comungados.

E finalmente a última de todas, esta estranha sílaba “dão”.
Inexequível porque esse é tempo e verbo
que se gastou e já não se usa ou mede.
Apenas se escreve e entranha-se no meio das palavras,
onde ganha nova entoação, a de Não.

sexta-feira, 9 de maio de 2008

Jethro Tull


uma vez eu e o Tó fomos até à Namaacha à boleia. ao que íamos não interessa, até porque já prescreveu.

o essencial e que justifica esta "memória" é que levamos um daqueles gravadores portáteis que então existiam, da idade e peso da pedra, tipo caixote como os primeiros telemóveis que por cá apareceram. e levavam seis pilhas e das grandes ainda por cima, ou seja: só a tiracolo e de tantos em tantos quilómetros a carga mudava obrigatoriamente de burro.

pois a verdade é que fartámo-nos de andar, andar, até aparecer uma santa alminha em material rolante que se apiedasse e parásse para uma boleia - as piedosas referências estão contextualizadas e são mais que merecidas, pois os quilómetros "a butes" foram mais que muitos...

bem, e os Jethro Tull? sei lá porquê, por alguma razão foi e o mais certo passa pelo habitual desleixo do "o outro leva, não te rales", nenhum levou cassetes e fomos, estivemos e viemos, sempre a ouvir o 'Aqualung' dos J. Tull, que era a cassete que estava dentro do gravador. Ian Anderson, se não me engano no nome do flautista e vocalista.

podia ter sido pior o que nos tinha calhado, ou até nem lá estar nenhuma. mas a verdade é que eu demorei meses a recuperar da overdose e voltar a ouvi-los...

quinta-feira, 8 de maio de 2008

Imposto Automóvel - pedido de apreensão de carros online

como é público, a partir deste ano o proprietário registado passa a ser o responsável pelo pagamento do imposto automóvel, mesmo que o tenha vendido há décadas mas o novo proprietário não tenha procedido ao registo da sua compra na Conservatória.

até agora a solução era deslocarmo-nos à antiga DGV, e submetermo-nos a senhas e bichas que nunca mais tinham fim, para pedir a apreensão do carro - única forma de não nos ser exigido o pagamento do imposto dum veículo que já não é nosso.

agora já pode ser feito online. eu acabei de fazê-lo para um carro que vendi há uns 7 anos e que, consultando a minha página pessoal nas 'declarações electrónicas' da DGCI, verifiquei que ainda constava como sendo eu o proprietário. aconselho-vos a fazerem o mesmo: irem verificar que veículos lá constam registados como vosso património.

o acesso ao pedido de apreensão está facilitado pois faz-se com o mesmo sistema das 'declarações electrónicas': username (nº de contribuinte) mais a password pessoal. depois é um mínimo de dados pois basta a matrícula que a marca e o nº do quadro do carro aparecem automaticamente, a morada e o nº do BI, e, no final, imprimir o comprovativo - que é para GUARDAR.

o site é este.

tenham atenção a esta cáca, não vão exigir-vos impostos que pertencem a outro....

terça-feira, 6 de maio de 2008

tá mal!

pois pois... como se trata duma foca e dum pinguim é assunto mui douto e até aparecem cientistas a botar faladura, artigos em revistas daquelas que só os pré-Nobel lêem, etc.
ora um gajo olha com mais emoção para uma ovelhinha, enfim, e há logo aí malta que é capaz de ir chibar-se à GNR, à Quercus, ao raio qu'os parta!
tá mal, pois!

segunda-feira, 5 de maio de 2008

nacional-tabag"ismo"

neste blogue a leitura é sempre um prazer. não só porque 'bela' mas igualmente pela perspicácia, sentido de humor e, às vezes, também saudavelmente cáustica.
leiam este post sobre a perseguição aos fumadores... e digam-me lá se ela não tem inteira razão!
ps: e atenção aos comentários...

domingo, 4 de maio de 2008

Se Calhar...

era uma vez uma, duas, três. juntaram-se e deu nisto.
ah! elas gostam de mirones-comentadores... :-))

sábado, 3 de maio de 2008

MANIFESTO EM DEFESA DA LÍNGUA PORTUGUESA

o texto do Manifesto (que parece-me desnecessário referir, é contra o 'Acordo Ortográfico') tem o teor abaixo:
...................................................
Ex.mo Senhor Presidente da República Portuguesa
Ex.mo Senhor Presidente da Assembleia da República Portuguesa
Ex.mo Senhor Primeiro-Ministro de Portugal
..................................................
1 – O uso oral e escrito da língua portuguesa degradou-se a um ponto de aviltamento inaceitável, porque fere irremediavelmente a nossa identidade multissecular e o riquíssimo legado civilizacional e histórico que recebemos e nos cumpre transmitir aos vindouros. Por culpa dos que a falam e escrevem, em particular os meios de comunicação social; mas ao Estado incumbem as maiores responsabilidades porque desagregou o sistema educacional, hoje sem qualidade, nomeadamente impondo programas da disciplina de Português nos graus básico e secundário sem valor científico nem pedagógico e desprezando o valor da História.Se queremos um Portugal condigno no difícil mundo de hoje, impõe-se que para o seu desenvolvimento sob todos os aspectos se ponha termo a esta situação com a maior urgência e lucidez.
2 – A agravar esta situação, sob o falso pretexto pedagógico de que a simplificação e uniformização linguística favoreceriam o combate ao analfabetismo (o que é historicamente errado), e estreitariam os laços culturais (nada o demonstra), lançou-se o chamado Acordo Ortográfico, pretendendo impor uma reforma da maneira de escrever mal concebida, desconchavada, sem critério de rigor, e nas suas prescrições atentatória da essência da língua e do nosso modelo de cultura. Reforma não só desnecessária mas perniciosa e de custos financeiros não calculados. Quando o que se impunha era recompor essa herança e enriquecê-la, atendendo ao princípio da diversidade, um dos vectores da União Europeia.Lamenta-se que as entidades que assim se arrogam autoridade para manipular a língua (sem que para tal gozem de legitimidade ou tenham competência) não tenham ponderado cuidadosamente os pareceres científicos e técnicos, como, por exemplo, o do Prof. Óscar Lopes, e avancem atabalhoadamente sem consultar escritores, cientistas, historiadores e organizações de criação cultural e investigação científica. Não há uma instituição única que possa substituir-se a toda esta comunidade, e só ampla discussão pública poderia justificar a aprovação de orientações a sugerir aos povos de língua portuguesa.
3 – O Ministério da Educação, porque organiza os diferentes graus de ensino, adopta programas das matérias, forma os professores, não pode limitar-se a aceitar injunções sem legitimidade, baseadas em “acordos” mais do que contestáveis. Tem de assumir uma posição clara de respeito pelas correntes de pensamento que representam a continuidade de um património de tanto valor e para ele contribuam com o progresso da língua dentro dos padrões da lógica, da instrumentalidade e do bom gosto. Sem delongas deve repor o estudo da literatura portuguesa na sua dignidade formativa.O Ministério da Cultura pode facilitar os encontros de escritores, linguistas, historiadores e outros criadores de cultura, e o trabalho de reflexão crítica e construtiva no sentido da maior eficácia instrumental e do aperfeiçoamento formal.
4 – O texto do chamado Acordo sofre de inúmeras imprecisões, erros e ambiguidades – não tem condições para servir de base a qualquer proposta normativa.É inaceitável a supressão da acentuação, bem como das impropriamente chamadas consoantes “mudas” – muitas das quais se lêem ou têm valor etimológico indispensável à boa compreensão das palavras.Não faz sentido o carácter facultativo que no texto do Acordo se prevê em numerosos casos, gerando-se a confusão.Convém que se estudem regras claras para a integração das palavras de outras línguas dos PALOP, de Timor e de outras zonas do mundo onde se fala o Português, na grafia da língua portuguesa.A transcrição de palavras de outras línguas e a sua eventual adaptação ao português devem fazer-se segundo as normas científicas internacionais (caso do árabe, por exemplo).
....................................................
Recusamos deixar-nos enredar em jogos de interesses, que nada leva a crer de proveito para a língua portuguesa. Para o desenvolvimento civilizacional por que os nossos povos anseiam é imperativa a formação de ampla base cultural (e não apenas a erradicação do analfabetismo), solidamente assente na herança que nos coube e construída segundo as linhas mestras do pensamento científico e dos valores da cidadania.
....................................................

sexta-feira, 2 de maio de 2008

a crise de, e de, e de, e agora a dos cereais

Os Grupos MSN são micro-comunidades com fartura de sensibilidades, opiniões, momentos de humor e, às vezes, também de irritação. São 'bairros', com os habitantes a tempo inteiro no café comunitário, onde trocam mensagens sobre tudo e mais alguma coisa. Até a namoros e a arrufos já por lá assisti... :-)
Recentemente (e num que não linko pois a sua visualização só é possível a participantes inscritos) e à volta do tema em título, reteve-se-me o olhar e o pensamento numa mensagem/reflexão dum participante, ao caso e de seu nome, Jorge Russel.
Solicitei e obtive autorização para a transcrever para aqui, grato pois com ela o meu blogue fica enriquecido. Ressalvei ao autor que faria uma pequena introdução, e disse-lho assim:
"quanto ao comentário, que será sucinto, apenas dirá que não subscrevo uma parte do texto - Fidel Castro: a mão que escreve bem não lava a outra, que tão mal já o fez - além de, pessoalmente, já não comungar da corrente política nele (texto) implicitamente presente"
Eis o Texto, que em conjunto com vocês passo a reler e meditar:
.....................................................................................................
Nada que não se previsse já.
O aumento do preço do petróleo e a consequente busca de novas formas de energia e de novas fontes de combustíveis, especialmente as formas chamadas de "biocombustíveis" feitas à base de oleaginosas veio desestabilizar o mercado de cereais já de si muito precário.
Por duas razões fundamentais.
A primeira tem a ver com o "desvio" dos cereais que podem servir para o fabrico de óleos vegetais que, posteriormente, podem servir para o fabrico de biodisel.
O milho, por exemplo, que é a base da alimentação de muitos povos, "esfumou-se". Desapareceu. O pouco que aparece no mercado da alimentação, dada a sua escassez, atingiu preços proibitivos e especulativos (a especulação, nas sociedades de consumo capitalistas é parente inevitável da escassez) para os povos que o tem como elemento fundamental. E esses povos são, regra geral, muito pobres e não tem possibilidades aquisitivas.
A fome instala-se assim entre os pobres e desprotegidos.
A segunda razão tem a ver com a procura de outros cereais que preencham a falta dos cereais "desaparecidos".
Como se passa a consumir muito mais quantidade de um determinado cereal, a produção não consegue fazer face à procura e aí o mercado entra em rotura.
Esse determinado cereal passa a ser raro e especulativamente mais caro.
É o caso do arroz. Não servindo para fazer biocombustiveis acaba por desaparecer e encarecer por causa deles!
E quem paga são os desgraçados que não lhe podem chegar!
Curioso é que há cerca de dois ou três anos, Fidel Castro escreveu isto mesmo no Granma, alertando para o facto de se estarem a desviar cereais alimentares para o mercado "envenenado" dos combustíveis e da fome que daí poderia advir.
Claro, como foi o Fidel que escreveu isto, muitos logo se apressaram a criticá-lo.
Afinal ele até tinha razão.
No sistema em que vivemos, o lucro sobrepõem-se à própria vida.
Que importa morrerem uns milhões se produzir biocombustíveis dá bons lucros?
Que importa morrerem uns milhões se a poluição provocada pela produção desenfreada gera milhões de lucros fabulosos?
Assim vai este Mundo dos capitais, das bolsas e dos grandes senhores cheios de Rolls-Royce, palácios, férias na Riviera francesa, Yatches e ilhas privadas.
Mesmo que tudo isto esteja assente sobre milhões de corpos famintos de homens mulheres e crianças.
Viva o capitalismo!
Viva o bezerro de oiro!
Abração.
Jorge

quinta-feira, 1 de maio de 2008

Vocábulos na Falésia

é quando precisamos gritar e que ecoe,
e os sons calam-se e engolem-se
que se cerram os olhos e dá-se o passo, atrás,
negando em silenciosa cegueira a atracção
duma tela que não soube ser nada,
nem fim, meio ou sequer princípio.

só os olhos não escondem o grito.
em brilho e em lágrima, ou opacos e enxutos,
eles soletram letras que formam a palavra
auxílio, já insignificante: a luz?
termina ao fim da tarde
e o relógio está certo, ao minuto.

(será por isso que nenhum sonhador fá-lo de óculos escuros,
e profere o grito de olhos legíveis, descobertos?)

o Sol põe-se sobre o Mar. há beleza tentadora e
que se aloura, irrecusável.
estão lá as cores todas e há sempre telas virgens nas falésias.
que pena eu não ter crescido para poder pintá-lo
ou apenas cair pelo quadro abaixo, qual fruto
que agora sou, em excesso pré-podre, amadurecido...

por isso grito, ouço-me no silêncio do meu inútil grito.
sem eco nem sonhos porque já mudo.
não me esqueço, e escondo os olhos sob os óculos escuros,
volto as costas à tela e dou o tal passo atrás
- cobarde, já previsto.

sem força, arte ou coragem de pegar no pincel e pintar
os tantos ocasos que já daqui avisto.