sexta-feira, 13 de março de 2009

"O Desejo"

A Claire ficou tão brava por ter mandado às urtigas (dixit) a minha arenga a pé-coxinho ao desafio seis particularidades pessoais - que entretanto já recuperara à visibilidade voyeur -, que arranjou-me outro "trinta e um": conversar sobre O Desejo, venha ele de que poro vier. Ainda mais em café já com mesas à cunha, tanto que lá me ajeitei numa mesinha do meu de bairro e enquanto o Paços de Ferreira marcava um golo esgalhei sobre desejos mais realistas que não o do meu Belenenses se safar esta época em malhar com os costados na "Honra", again :(
Como levei companhia que caiu que nem ginjas, saco do primeiro parágrafo do Prólogo de Vila-Matas ao "La asesina ilustrada" (edição de 2005 da Editorial Lumen), pois por algum lado tinha de começar:

"Tan mezcladas y entrelazadas se encuentran en mi vida las ocasiones de risa y de llanto que me es imposible recordar sin buen humor el penoso incidente que me empujó a la publicacion de estas páginas". ora nem mais: a vida é um Desejo contínuo de tudo, e não tem de ser penoso falar dele... e dela.

"Na boa-hora de sexta treze sentei-me no mocho para olhar O Desejo, ciente que o libelo não é pequeno e o tempo para alegações abonatórias termina num ai, ai o desejo. Atenuantes e agravantes cruzam-se nas seis letras e destas a menor não é certamente, por tardia descoberta tertuleana, ter corrido à saca dos fantasmas e virado-a no chão deste papel, tal qual puto que vaza o baú de brinquedos pois se na sua alma brincalhona há lugar a desejo, é o de voltar a tocar o velho cromo que era tão raro, tão raro, que por ele trocou o lanche e a playstation, os ténis novos e as moedas todas que encontrou e rapinou, todas e tantas que quando o barqueiro lhas pedir ele exibirá o cromo e como para tão raro bem não há troco ficará na margem certa, a dos putos e dos Desejos satisfeitos.

Desejo... desejo tanto, tanto... Primeiro, desejo ser feliz. E temo-o. Pois cumprido o nº Um nenhum haverá por satisfazer e chafurdarei na felicidade oca de ser feliz por desejo, e não pelo acaso d'algo, um momento um gesto, uma palavra lida ouvida, dita ou escrita. O Desejo é Viver: mesmo quando se chama a Morte - ó bemquista! ó salvícia que te invoco mas, cobarde, saco do cromo e rio de não haver trocos a tanto como este resto de baú...! -, quando na lágrima cai o mundo e na enxurrada se esbraceja e silvam cordas baloiçantes há nesse plasma perenidade suficiente para alongar o fio e pousar os pés nesse chão que é linha, linhas de carrinho de desejos.

Vou contar, recontar é melhor dito, o meu segredo mais público entre todos os que não conto mas lá vou contando, o meu Desejo dos Desejos, que me leva a virar a folha e continuar, sexta-feira treze, tal como o trânsito não pára e só abranda quando se vêm desejos abruptamente amarrotados: desejava ser amado. Vias travessas pois não me importa se atalho ou atraso, amado como escritor. Sonho sensualidade nesta sede, há amor por mim e de mim pelo leitor. Desejava que o ler-me fosse quase sempre tão bom como às vezes é fazer amor. Penso que esta entrará nas atenuantes mas, leitor, eu estou no mocho e dói-me o rabo e só me levantarei no fim para ouvir-te. Deixo aos autos este desejo como peça processual, este anexo alfabetizado ao corpo principal: O Desejo. Tudo, tudo cede a esta cegueira. Dizem que os "shandys" chegavam a atirar as crianças pela janela para conseguirem o silêncio criador. Eu jogo-me inteiro neste desejo, capo a vida e ronrono a olhá-lo seja sexta seja sábado, aurora crepúsculo multidão vazio, estou só: o meu desejo: eu e tu, e as linhas que nos ligam, atam, até os pulsos ficarem roxos (de desejo), a erecção do enforcado. Mórbido, hã? é, os desejos são assim: um cromo único, o amor a uma flor.

...e a dois dias de fim de prazo e na mesa do café de esquina fumei este desejo, conversei contigo, leitor. "Foi bom para ti também?" Não, claro que não: nas boas-horas as alegações nunca têm um fim: matariam o desejo e aí sim, o barqueiro sorriria e faria o último troco, adeus margem de desejos, meu cromo raro, meu brinquedo querido, linhas, aquela flor.

5 comentários:

Maria de Fátima disse...

mais não fosse, e é-o, o texto tem este pedaço e o resto, que eu não devo mas ouso cortar por colocá-lo apenas de exemplo, que isso é o texto todo: uma metáfora à vida, uma coisa linda!um excesso como é qualquer desejo (desejado) "...os ténis novos e as moedas todas que encontrou e rapinou, todas e tantas que quando o barqueiro lhas pedir ele exibirá o cromo e como para tão raro bem não há troco ficará na margem certa, a dos putos e dos Desejos satisfeitos."

Claire disse...

Carlos, sorriso riso rir
Já mandei meu desejo pró ar
beijo abraço, vou dormir que já me dói os pulsos

Eduardo P.L disse...

Carlos,

se o seu DESEJO estivesse na primeira postagem , HOJE, certamente teria mais visitas! Eu mesmo já vim aqui duas vezes e só agora descobri onde esta SEU DESEJO!

Obrigado por participar da TERTÚLIA!

Forte abraço

Anónimo disse...

obrigaodo pela visita Eduardo.
além de que só tardiamente percebi "as regras" o lugar do primeiro post do dia estava reservado e nenhum 'desejo' se poderia sobrepor ao de dar o Abraço que dei.
por outro lado este é um tasco pequenito, nem meia dúzia de mesas que se enchem num instante... esperaste um pouco de pé mas arranjaste cadeira, não foi? óptimo! :) ora imagina se estacionasse à porta um machimbombo... nem sentados nem em pé cá cabiam, além de não tenho, infelizmente, pão e vinho suficientes para bem receber, como gostaria... ;)

um abraço!


c

Compondo o olhar ... disse...

adorei, parabens pelo seu post.

abraços